Meio Ambiente e Vida Sustentável

Os Tipos de Resíduos Sólidos e seus Perigos

A poluição é um fator que nos cerca no dia-a-dia, é relacionada a propagação de diversas substâncias que causam um efeito negativo no equilíbrio ambiental. Pensando nisso, é de extrema importância que haja uma preocupação com esse tema, assim como ações voltadas à preservação do meio ambiente

Você já se perguntou o que você e sua empresa podem fazer para contribuir com a diminuição da poluição e de seu impacto ambiental? Pensando no âmbito corporativo, pode-se citar a sustentabilidade empresarial cujas empresas procuram incorporar em seu cotidiano uma visão mais verde, com ações voltadas para os aspectos sociais e ambientais.

Existem inúmeros fatores que contribuem para um aumento da poluição ambiental e, portanto, diversas ações que podem ser realizadas. Por conta disso, vamos focar somente nos resíduos sólidos que são produzidos e os perigos que eles trazem para o meio ambiente.

5 tipos de resíduos sólidos

 

Você sabe o que são resíduos sólidos e quais os tipos existentes? Para conhecer seus perigos e a melhor forma de tratar cada resíduo sólido é preciso conhecer suas classificações.

Os resíduos sólidos podem ser definidos como os restos de materiais que são produzidos em diversos processos e, após seu uso, são descartados e não podem ser incorporados ao meio ambiente. Esses resíduos podem ser classificados de diferentes maneiras, como sua natureza e processo que lhe deu origem, sua composição química ou ainda sua periculosidade. No Brasil, a ABNT NBR 10004 é a norma que classifica os resíduos sólidos de acordo com identificação do processo ou atividade que lhes deu origem. A seguir, são listados os 5 tipos de resíduos sólidos.

  • Resíduos Sólidos Urbanos

Proveniente, principalmente, de residências, estabelecimentos comerciais e atividades da prefeitura como limpeza de vias públicas, esses resíduos são, em sua maioria, compostos de matéria orgânica, materiais recicláveis e inorgânicos, como espumas e isopor. É importante ressaltar que, apesar desses resíduos aparentarem serem simples por conta do contato no nosso dia-a-dia, é importante sempre realizar o descarte correto, principalmente para resíduos específicos como pilhas e baterias.

  • Resíduos Industriais

Relacionados a dejetos produzidos em atividades industriais de usinas, fábricas e indústrias. São resíduos que apresentam uma composição bastante diversificada e, normalmente, são considerados substâncias perigosas. Podem ser tóxicos e reativos, causando acidentes como contaminações, incêndios e explosões.

  • Resíduos Hospitalares

Estes são os resíduos produzidos em ambientes relacionados à saúde, como hospitais, unidades de pronto atendimento, clínicas médicas e odontológicas, clínicas veterinárias, laboratórios de análise clínica etc. São resíduos que podem apresentar alguma contaminação por agentes patológicos como seringas, agulhas, curativos, entre outros, por conta disso, é necessário um descarte correto e regularizado.

  • Resíduos de Construção Civil

A construção civil produz resíduos sólidos frequentemente chamados de entulhos, estes são provenientes de construções, demolições, ampliações, reformas entre outras atividades relacionadas a obras civis. Os diferentes materiais utilizados nessas construções como tijolos, concretos, argamassa, gesso, telhas etc. necessitam de um descarte adequado, para isso, as empresas responsáveis pelo tratamento desses resíduos devem ter documentos que atestem a regularização do descarte dos mesmos.

  • Resíduos Nucleares

Por fim, os resíduos nucleares são aqueles considerados radioativos ou contaminados com radioatividade, normalmente são provenientes de usinas nucleares, laboratórios de análises clínicas e serviços de medicina nuclear. É importante ressaltar que esses resíduos podem ser extremamente prejudiciais à saúde e ao meio ambiente, por conta disso, é necessário todo um controle processual desde a geração até a descarte final desses materiais.

 

Além dos diferentes tipos de resíduos sólidos, também podemos citar a classificação de periculosidade estabelecida pela ABNT NBR 10004. Essa divisão é descrita como classe I e classe II como mostrado a seguir.

  • Classe I: Resíduos Sólidos Perigosos

São aqueles que apresentam algum tipo de risco à saúde e ao meio ambiente. Esses materiais podem apresentar algumas características como:

– Periculosidade;

– Inflamabilidade;

– Corrosividade;

– Reatividade;

– Toxicidade;

– Patogenicidade.

  • Classe II: Resíduos Sólidos Não Perigosos

Em contrapartida aos resíduos classificados no item acima, os resíduos sólidos não perigosos não apresentam riscos à saúde ou ao meio ambiente, porém seu descarte incorreto contribui para o aumento da poluição ambiente.

Esses materiais podem ser divididos entre inertes, aqueles que não diluem ou reagem com a água, e não inertes, que reagem e diluem quando estão em contato com a água.

 

Um tópico muito recorrente nas últimas décadas é o aumento da poluição causado pela elevação da produção industrial ao redor do globo, fato esse causado pela maior geração de resíduos proveniente desse aumento produtivo. Esses resíduos quando descartados sem o devido tratamento afetam, de maneira muito negativa, os ecossistemas em que são lançados. Afetando a flora e fauna locais, bem como trazendo impactos negativos para a saúde humana.

A poluição do solo por sua vez, altera as características físico-químicas do meio, tornando-a uma ameaça à saúde pública, uma vez que torna o ambiente propício ao desenvolvimento de doenças.

Quando falamos da poluição em rios, lagos e córregos, além dessa proliferação de doenças devemos levar em conta também o desequilíbrio causado no ecossistema aquático. Uma vez que a baixa no oxigênio desse ambiente, causada pela decomposição de matéria orgânica, causa a morte de peixes e plantas naquele local.

O tratamento adequado desses resíduos é hoje um dos maiores desafios corporativos, principalmente no Brasil. É preciso dar esse passo na direção da sustentabilidade e prezar pela destinação correta desses resíduos e efluentes gerados na produção industrial, a fim de se preservar o meio ambiente e de tornar o desenvolvimento industrial mais sustentável.

Quando falamos desse gerenciamento de resíduos a Química Jr. Possui uma solução adequada e muito assertiva para esse contexto. O PGRS (Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos) pode ajudar imensamente sua empresa nesse caminho de se tornar mais sustentável.

Pelo PGRS é especificada uma forma ambientalmente correta de gestão, embalagem, tratamento, reciclagem, descarte e destinação final dos resíduos gerados no meio industrial, focados principalmente em seus resíduos sólidos gerados.

A Química Jr. Pode ajudar sua empresa a optar por uma gestão adequada desses resíduos. Uma vez que a gestão inadequada desses pode gerar impactos negativos no meio ambiente e na sociedade. Você pode pensar ainda nos impactos positivos que a uma gestão adequada de resíduos causam e na redução dos gastos gerados pela má gestão desses resíduos.