Meio Ambiente e Vida Sustentável

IPCC, COP 26 e o Futuro do Planeta

IPCC 2021

Você já deve ter ouvido falar do termo IPCC nesses últimos tempo, não é mesmo? Esse tema está bastante em alta porque o IPCC 2021 tem uma grande relevância para determinar o rumo de políticas em muitos países. Mas afinal, o que é o IPCC? Nada mais é do que o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (Intergovernmental Panel on Climate Change). Vamos conhecer mais sobre isso?
O que é?
Criado pela ONU Meio Ambiente e pela OMM em 1988 e com 195 países membros, o IPCC visa fornecer relatórios sobre a mudança climática e suas possíveis consequências para que os países tenham o máximo de informações cientificas para que possam aplicar em suas políticas climáticas.
Para expor essas informações o IPCC publica alguns Relatórios de Avaliação que são feitos por três Grupos de Trabalho e uma Força Tarefa e expõem acordos entre países e diretrizes para inventários de Gases do Efeito Estufa (GEE) e também publica um Relatório de Síntese.
Como existem muitos aspectos científicos a se considerar quando se analisa a mudança climática, a produção dos relatórios é dividida nos seguintes Grupos de Trabalho:
 Grupo de Trabalho 1: Esse grupo cuida da parte Física da ciência. Eles analisam coisas como gases do efeito estufa e aerossóis na atmosfera, mudanças de temperatura na água, terra e ar, os níveis dos oceanos e muito mais.
 Grupo de Trabalho 2: Esse grupo cuida dos impactos, adaptação e vulnerabilidade. Eles analisam o impacto global e regional que as mudanças climáticas tem no ecossistema, na biodiversidade e nos seres humanos. Coisas como a capacidade do ser humano se adaptar às mudanças também são consideradas na produção de seus relatórios.
 Grupo de Trabalho 3: Esse grupo tenta mitigar a mudança climática. Ao identificar as fontes desse grande problema, esse grupo tenta orientar e auxiliar governos a estabelecerem suas metas e ações para frear a aquecimento global. Os relatórios produzidos por esse grupo levam em consideração coisas como a aceitabilidade da população, os riscos e benefícios envolvidos e outros fatores também.
Além desses 3 Grupos de Trabalho, o IPCC ainda conta com uma Força Tarefa que cuida da revisão e elaboração de melhores métodos para realizar um inventário de GEE. Esses inventários são de grande importância para todas as empresas e é a partir dessa força tarefa que é possível definir a metodologia correta a ser utilizada em cada ano.

Previsões e relatos IPCC 2021
Os relatórios desse ano confirmaram que o aquecimento global tem grande influência dos seres humanos e que se não reduzirmos as emissões de gases do efeito estufa podemos chegar em um aumento de 1,5°C nos próximos 20 anos.
Já não restam mais dúvidas de que o momento de começar a agir contra as mudanças climáticas é agora e é esse a mensagem que o IPCC quer nos passar já que estamos produzindo cada vez mais gases do efeito estufa e, de acordo com o relatório, não podemos passar de 400 bilhões de toneladas de GEE produzidas nessas próximas duas décadas. Parece que é um número muito distante, mas rapidamente percebemos que não é ao considerar que nós produzimos cerca 40 bilhões de toneladas por ano.

A Conferência da ONU sobre mudanças climáticas (COP26), é a maior e mais importante conferência sobre o clima. Esse ano, o evento ocorreu no período de 31 de outubro e 12 de novembro na cidade de Glasgow, Escócia. O encontro reuniu representantes dos 196 países signatários do Acordo de Paris e a COP26 marcou uma nova era da participação dos povos indígenas nas negociações internacionais sobre o futuro do planeta.

COP 26

A Conferência da ONU sobre mudanças climáticas (COP26), é a maior e mais importante conferência sobre o clima. Esse ano, o evento ocorreu no período de 31 de outubro e 12 de novembro na cidade de Glasgow, Escócia. O encontro reuniu representantes dos 196 países signatários do Acordo de Paris e a COP26 marcou uma nova era da participação dos povos indígenas nas negociações internacionais sobre o futuro do planeta.

Durante o evento as discussões envolveram tópicos como:

  1. Limitar o aquecimento da temperatura média global em 1,5˚C, controlando as emissões de gases de efeito estufa. O Brasil assumiu o compromisso de se tornar carbono neutro até 2050 e cortar em 50% as emissões brasileiras até 2030. Além disso, se comprometeu a reduzir em 30% a emissão de metano até o final da década, em relação a 2020, em conjunto com mais de 100 países.
  2. Proteger as comunidades e os ecossistemas dos países afetados pelas mudanças climáticas. Dessa forma, restaurar os ecossistemas, construir defesas, sistemas de alerta são ações essenciais.
  3. A COP26 foi a primeira conferência a incluir a intenção de promover o abandono progressivo de energias fósseis como carvão, petróleo e gás. 
  4.     Atualizar o aporte de recursos das nações mais ricas para que as nações em desenvolvimento sejam capazes de promover transições econômicas que custam caro, como a energética. 
  • Importância do cuidado com o meio ambiente 

É evidente que a preocupação ambiental vem assumindo posto de destaque ao redor do mundo. Empresas vêm assumindo cada vez mais ações socialmente responsáveis, como metas de redução e neutralização de emissão de gás de efeito estufa (GEE), redução no consumo de água, etc. 

Agendas ESG (traduzido do inglês – Governança Ambiental, Social e Corporativa) assumidas por organizações envolvem práticas ambientais que são vistas hoje como critério de investimento e compra por parte da sociedade. Dessa forma, tornar sua empresa carbono neutro será um diferencial competitivo importante frente ao mercado.

A Química Júnior, com o projeto Carbono Neutro (CN), pode contribuir e construir esse diferencial junto com sua empresa. O projeto CN busca contabilizar e neutralizar as emissões de CO2 que a sua empresa ou evento emite. Para conhecer mais sobre o projeto entre em contato conosco!